Nome
E-mail
Campicarn
Horta Osorio Wines
Apormor
Montemor o Novo
Home | Notícias
BARRA de OURO, 4 de Maio de 2019
Caríssimos,

Venho até Vós mais do que fazer uma crónica, contar-Vos a história desta Barra de Ouro 2019. Este ano o GFA Montemor faz 80 anos, são 80 anos de uma gloriosa História, mas acima de tudo são 80 anos de amizade e de uma Família amiga e unida.

No final de 2018, em Dezembro, grande parte desta família reuniu-se num jantar de antigos e atuais elementos, fazendo uma reflexão sobre o que gostariam de realizar no ano evocativo dos 80 anos do GFA Montemor. Foi de entendimento geral, que numa efeméride com o peso desta e com a vontade que todos sentíamos em partilhar a nossa alegria, em fazer mais uma vez parte da história do GFA Montemor, que iríamos relançar algumas antigas tradições do Grupo e dar início a um novo ciclo da sua vida, numa altura em que “a Família”, cada vez mais é um pilar estrutural da sociedade.

Nesse dia, de muitas das iniciativas que surgiram em agenda, ficou decidido que uma delas iria acontecer, a retomada da realização da Corrida da BARRA de OURO, a mais antiga disputa, a mais competitiva e amiga, entre os dois mais antigos Grupos de Forcados, os de Santarém e os de Montemor.

Entre antigos e atuais elementos, criámos um grupo de trabalho, grupo esse que rapidamente envolveu todo o restante Grupo através de informação, de partilha de acontecimentos, de iniciativas que fizeram com que a BARRA de OURO, fosse o resultado de um alargado envolvimento e empenho do GFA Montemor e de TODA a sua Família, para que a mesma se realizasse com a grandeza e com o esplendor, que a situação exigia.

Isto para dizer, que se conseguiu criar em torno de um acontecimento importante, todo um reavivar de memórias, um conhecimento multigeracional entre os elementos do grupo, que acabaram por unir MUITO mais a Família do GFA Montemor!

Chegou o dia da Festa, o dia 4 de Maio e com ele o acontecimento para o qual tanto trabalhámos e tanto nos aproximou, a Corrida de Toiros da BARRA de OURO.

Esta corrida desde o seu início, tentou ser uma corrida de competitividade, pelo que começámos pelo fator primordial, os toiros. Escolhemos então um imponente curro de PALHA, ganadaria que transmite MUITA emoção nas pegas, proporcionando a maior e mais saudável competição. A disputa entre os Grupos de Forcados de maior currículo do país, o GFA Santarém e o GFA Montemor.

Seguidamente e porque os cartéis têm que ser rematados, escolheram-se 3 consagrados para lidar este sério curro, foram eles, António Ribeiro Telles, Luís Rouxinol e Filipe Gonçalves. Fazendo uma breve mas objectiva análise a esta corrida de toiros, até pela minha condição de apoderado de um dos toureiros, não irei fazer uma crónica detalhada no que respeita à parte equestre, pois na verdade, com momentos bons e outros menos conseguidos, os três cavaleiros deram a volta à papeleta, mas no fim, ficou a sensação que os toiros na generalidade estiveram um pouco por cima dos toureiros.

Senti o público um bocado frio para a parte do toureio a cavalo, pergunto-me ainda hoje se foi por em momento nenhum nada de extraordinário ter acontecido, ou se foi mesmo por naquela tarde quente em Montemor, o público querer ver aquilo que efetivamente o atraiu, a grande disputa entre os dois mais consagrados Grupos de Forcados do mundo!

Na verdade e no que toca às pegas, tivemos 6 extraordinárias pegas! Quase todas à 1ª tentativa e, a que o não foi, resultou executada de forma brilhante pelo cabo dos de Santarém, João Grave, que à segunda, agarrou-se com uma enorme alma ao 1º Palha da tarde, lidado por António Telles.

O segundo toiro da corrida, teve uma lide acertada de Luís Rouxinol e talvez para mim, a pega mais emotiva da tarde à 1ª tentativa efetuada por João da Câmara.

O terceiro toiro, lidado por Filipe Gonçalves foi pegado pelo Forcado Francisco Graciosa também à 1ª tentativa, numa emocionante pega.

O segundo do António Telles, tinha o peso de quase 600 Kgs, saiu com ímpeto e o cavaleiro arriscou recebendo à gaiola este toiro, tendo logo pelo mesmo sido apertado, pois além de grande, a mobilidade nunca lhe faltou. António acabou a lide com a raça que lhe conhecemos, tendo a pega deste toiro sido executada por Francisco Borges à primeira tentativa, não tendo percebido o toiro e mesmo o público, como é que uma “bomba” daquelas, foi pegada à 1ª tentativa e sem o espetáculo de luta e força que o toiro tinha. Sobre esta pega, apenas dizer que o que aconteceu, foi o verdadeiro domínio e conhecimento do Forcado sobre o toiro, e toda a espetacularidade e violência que faltou (pelo menos que se esperava), aconteceu porque o Forcado da cara teve uma leitura profunda do seu oponente e concluo, a inteligência e o saber, venceram a força e a violência.

No 5º da ordem lidado por Luís Rouxinol tivemos uma lide correta e com entrega à Rouxinol, tendo sido pegado este toiro à 1ª tentativa pelo Forcado Lourenço Ribeiro com uma pega também para mim de destaque.

Para o 6º toiro da tarde, voltou a estar em praça o Filipe Gonçalves, com uma lide conseguida, onde faltou o remate do toiro no momento da sorte. Para a última pega da tarde, em praça o GFA Montemor com o Forcadão Francisco Bissaia Barreto para fechar, o que o fez com uma brilhante e dura pega à 1ª tentativa. Uma pequena nota, ao sair da cara do toiro, devido à configuração de córnea ligeiramente fechada no corno direito, o Forcado ficou com o braço preso e caiu na cara do toiro, tendo tido uma lesão no cotovelo.

Em todas as pegas ambos os grupos mostraram muita coesão nas ajudas, tendo-se destacado jovens elementos de ambos os grupos e não querendo aqui referir nomes, digo apenas que esta rapaziada está a dar ao cabedal de verdade e estão de parabéns! Prevejo para ambos os grupos uma temporada risonha e de êxitos.

A BARRA de OURO tinha que ir para algum dos Grupos e para alegria minha e de toda a Família do GFA Montemor, a BARRA de OURO ficou em casa!

O júri era constituído pelos cabos dos grupos de forcados de:

Lisboa – Pedro Maria Gomes

Évora – João Pedro Oliveira

Coruche – José Tomás

Barrete Verde de Alcochete – Marcelo Lóia

Alcochete – Nuno Santana

Aposento da Moita – Leonardo Mathias

Caldas da Rainha – Francisco Mascarenhas

E assim se passou mais uma excelente tarde de toiros em Montemor, com uma etapa importante para o nosso GFA Montemor e para as comemorações dos seus 80 anos. Que a temporada seja importante e permita escrever mais uma página de Ouro na nossa História!

Grupo de Montemor sempre!

Paulo Pessoa de Carvalho

Fotografias: Francisco Romeiras

Veja o vídeo das pegas, seguindo o link:

https://www.youtube.com/watch?v=92AZyLOiLPE&t=4s

Voltar
com o apoio de